Dia Nacional da Consciência Negra

O Dia da Consciência Negra é comemorado em 20 de novembro, que, em 2019, vai cair numa quarta-feira, feriado em alguns estados e em boa parte das cidades brasileiras. A data marca a morte do líder negro Zumbi dos Palmares em 1695.

Zumbi dos Palmares
Zumbi dos

Zumbi nasceu livre no Quilombo dos Palmares, um refúgio de escravos fugidos localizado onde está hoje a Serra da Barriga, Interior de Alagoas, que em seu auge teve extensão territorial equivalente a de Portugal e população estimada em 30 mil pessoas, mais de dez vezes o contingente populacional da maior cidade brasileira da época, Salvador. O quilombo começou a se formar por volta de 1580 com escravos fugidos dos engenhos de açúcar nordestinos.

A partir de 1630, com os ataques holandeses primeiro a Salvador e depois a Recife, o refúgio teve um substancial incremento populacional e criaram-se as condições para que se tornasse um verdadeiro estado soberano no meio do Brasil. Havia gente para produzir alimentos, realizar pequenas manufaturas e até para organizar um sistema de defesa militar muito superior em contingente às guarnições portuguesas do litoral. Por essa razão, a localidade foi capaz de resistir por mais de um século a uma série de ataques, por vezes impondo ao inimigo derrotas vexatórias.

Palmares tinha governo próprio, leis, economia, exército e soberania total em relação ao Brasil. Mas nada disso incomodava a colônia mais que o fato de que entre os escravos do litoral corria a notícia da existência de uma terra próxima governada por negros livres que não se submetia de nenhuma forma à autoridade do homem branco. No litoral, o temor era que os escravos mais numerosos que os demais habitantes se rebelassem. Tanto que em 1678, o governador da capitania de Pernambuco fez uma oferta de paz. A proposta incluía a libertação dos habitantes de Palmares, que na perspectiva da Coroa ainda eram escravos, desde que se submetessem à autoridade colonial. Palmares ignora a oferta e os conflitos continuam. Num desses conflitos, Zumbi ainda menino é capturado e entregue aos cuidados de um religioso com quem aprende latim e português. Na adolescência, ele foge, retorna ao quilombo, junta-se às forças de defesa e, com sucessivos sucessos no campo de batalha, acaba alçado ao comando máximo do Quilombo com apenas 20 anos de idade.

Quinze anos depois, a capitania recruta bandeirantes paulistas para lutar ao seu lado. Só nesse momento a sorte do conflito começa a se tornar favorável à capitania. Em 1694, Zumbi fora traído e gravemente ferido na região conhecida como Serra Dois Irmãos, em Alagoas. Foge, recupera-se e ainda lidera os combates por mais um ano, mas cairia em 20 de novembro do ano seguinte. Palmares fora finalmente derrotado. A cabeça de Zumbi permaneceu exposta por meses no centro de Recife para deixar claro aos escravos que seu líder mítico senhor da terra dos negros livres havia sucumbido.

Imagem:  Escravos numa fazenda de café no Brasil, c.1885. / Marc Ferrez (1943-1923)